Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

Diário Medicina Preventiva

Uma intensa viagem pelo dia-a-dia de uma estudante de Medicina e, além disso, algumas indicações sobre a importância da prevenção para preservarmos a nossa saúde.

22.Nov.07

PSORÍASE

A psoríase é uma doença da pele que resulta de um controlo deficiente na produção das células do estrato basal da epiderme. Este descontrolo leva a um aumento da proliferação das células basais e a uma consequente queratinização incompleta das células das camadas superiores, que são perdidas uma semana após deixarem o estrato basal, em vez de algumas semanas a vários meses (numa situação normal).

Esta hiperproliferação leva à acumulação dos queratinócitos na superfície sob a forma de placas avermelhadas de escamação esbranquiçadas ou prateadas. Além disso, o sistema imunitário reage a esta lesão superficial da pele, induzindo a produção de ainda mais células, intensificando este ciclo vicioso.
A psoríase é uma doença hereditária, mas não contagiosa. Os principais sintomas da doença são dores lombares e rigidez matinal, deformações nas unhas, feridas e escamações em várias partes do corpo... A doença afecta sobretudo joelhos, cotovelos, couro cabeludo e região lombo-sagrada, já que estes são locais frequentes de traumas.  

Além dos problemas físicos, esta doença tem uma importante parte psicológica que não deve ser descurada, já que a pele é a forma como comunicamos com o meio e com os outros. Os doentes com psoríase têm problemas de auto-estima e de socialização, sendo muitas vezes dscriminados. É importante lembrar que a psoríase não é contagiosa nem pelo contacto, nem por transfusão sanguínea.
Actualmente, a doença ainda não tem cura, mas estão a ser testados mais de trinta medicamentos em todo o mundo. A exposição ao sol é considerada benéfica. Já o stress, traumatismos, infecções virais, drogas, tabaco e álcool podem agravar a doença.

Existem vários tipos de tratamento possíveis, entre os quais os tópicos (pomadas), fototerapias (com luz ultravioleta), sistémicos (por via oral ou injecções), medicamentos imunobiológicos, limpeza por peixes-médicos (Turquia). Estes peixes alimentam-se apenas da pele afectada pela doença, deixando a pele saudável desenvolver-se normalmente. O tratamento não é uma cura, mas um alívio dos sintomas da doença, que deve ser repetido periodicamente.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.